terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Envelhecendo...

Peder Mork Mønsted- Calm waters
À Beira de Água

                                             Estive sempre sentado nesta pedra
                                            escutando, por assim dizer, o silêncio.
                                            Ou no lago cair um fiozinho de água.
                                            O lago é o tanque daquela idade
                                            em que não tinha o coração
                                            magoado. (Porque o amor, perdoa dizê-lo,
                                            dói tanto! Todo o amor. Até o nosso,
                                            tão feito de privação.) Estou onde
                                            sempre estive: à beira de ser água.
                                           Envelhecendo no rumor da bica
                                           por onde corre apenas o silêncio.

2 comentários:

Pedrasnuas disse...

Muito bonito, profundo ...silenciosamente belo...e triste...é assim que me sinto..."à beira de água"...com sede....

A foto é fabulosa!!!

Beijo e que o Ano seja de Esperança.

L.S. disse...

Pedrasnuas, é, apesar de tudo, bom ter sede, ainda que nela resida a tristeza...Bom Ano, e obrigada.